CRISTIANE ŽOVIN

 

Doutora e Mestre em Comunicação pela Unip, possui pós graduação em Marketing e Propaganda pela Faculdade de Comunicação Social Casper Líbero e graduação em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pela mesma instituição. Atualmente é professora titular de cursos de Marketing, Comunicação e Moda em São Paulo.

 

Currículo Lattes

Sobrevivendo na Internet

Palavras-Chave: Internet, Identidade, Plasticidade cerebral, Comunicação

Resumo: Procuro vida fora do âmbito virtual, mas é quase impossível não ceder aos encantos digitais. Ainda tento redigir meus textos a mão, para me sentir mais vinculada a eles, a mim mesma que vai para o papel. Mas a máquina me chama, não mais como ferramenta que torna meu texto mais alinhado, mas como parte de mim que agora tem uma identidade virtual. Nicholas Carr nos ajuda a entender o que a internet está fazendo com os nossos cérebros. Convido a todos para esta viagem, um tanto sem destino, mas importante para nossa (sobre)vivência na  atualidade.

Sobrevivendo na Internet. Revista do Colóquio v.4 n.7. 2014. 

Boneca não fala – o silêncio mimético na sociedade mediática

Palavras-Chave: Barbiezação da Mulher; Tutoriais na Internet; Kota Koti; Imaginário Mediático; Mimese.

Resumo: O artigo trata do fenômeno que designamos por barbiezação da mulher, analisando o caso da adolescente americana Dakota Rose, conhecida como Kota Koti, que realiza tutoriais na internet ensinando suas seguidoras a como se parecerem com a boneca Barbie. Após uma pequena contextualização da história da boneca Barbie e de sua repercussão na sociedade mediática e de consumo, apresentarmos a atuação de Kota Koti em seus tutoriais na internet e propormos uma reflexão acerca das práticas miméticas, da estética e do imaginário que essa atuação abriga e que repercute na multidão de seguidoras de seu trabalho. O enfoque teórico do artigo vale-se dos estudos da Teoria da Imagem e do Imaginário, bem como dos estudos contemporâneos sobre os fenômenos mediáticos e suas relações com as práticas miméticas. 

Boneca não fala – o silêncio mimético na sociedade mediática. Revista Interin v. 18, n. 2, 2014. Artigo publicado com a Dra. Malena S. Contrera.

“Sem óculos, eu não escuto direito” Fala, audição e imagem no espaço midiático “Without my glasses on, I can’t hear well” Speech, audition and image in mass media

Palavras-Chave: Fala; Imagem; Audição; Mídia.

Resumo: “Sem óculos, eu não escuto direito”. Recentemente essa frase foi proferida num evento voltado a professores universitários e me instigou a procurar embasamento teórico para tentar fundamentá-la. Portanto, proponho neste ensaio, um estudo sobre a força da imagem (atrelada à visão), principal requisito da sociedade imagética atual; e em contrapartida, enfatizar a relevância do resgate da fala e audição, predicados em decadência, posto que são invisíveis, mas que postulam nossa orientação no mundo.

“Sem óculos, eu não escuto direito” Fala, audição e imagem no espaço midiático  “Without my glasses on, I can’t hear well” Speech, audition and image in mass media. Revista FARO v.1 n.16, 2012. 

Ano novo, vida nova? – um estudo sobre as matérias das revistas femininas Claudia e Sophia que ritualizam a (feliz) chegada de 2010

Palavras-Chave: Revistas femininas; Brasil; Argentina; Sociedade midiática.

Resumo: O objetivo do presente artigo é esboçar um comparativo entre matérias de duas revistasi, que celebram a chegada do novo ano, segmentadas ao público feminino: Claudia, brasileira, e viví Sophia, argentina – ambas publicadas na última edição de 2009, mês de dezembro. As matérias correspondem a um “manual” para as mulheres modernas adentrarem o novo ano com sucesso, saúde, dinheiro, harmonia, entre outros “itens” essenciais à sobrevivência no mundo pós moderno, garantindo a tão sonhada felicidade.

Ano novo, vida nova? – um estudo sobre as matérias das revistas femininas Claudia e Sophia que ritualizam a (feliz) chegada de 2010. Revist FARO n.14, 2011.

A força da televisão na construção do imaginário: o papel cultural das máquinas de imagens na vida das pessoas.

Palavras-Chave: Televisão; Celebridade; Mercado

Resumo: Este artigo busca avaliar o papel da televisão, como meio que imprime a imagem da celebridade dentro dos lares brasileiros. Primeiramente, o capítulo discorre sobre o papel das máquinas de imagens nas vidas das pessoas, começando pelo rádio até chegar a TV, centrando na contribuição dessas máquinas para a criação do conceito de celebridade. Na sequência, mostra o surgimento das celebridades atuando num show televisivo volátil, que cada vez mais funciona no âmbito ficcional mercadológico e contribui para tornar os indivíduos um grupo de “voyeurs”.

A força da televisão na construção do imaginário:
o papel cultural das máquinas de imagens na vida das pessoas. Revista Faro n.7, 2007. 

Please reload

 

© Mídia e Imaginário - Grupo de Pesquisas em Mídia e Estudos do Imaginário.